3.  Arrebatados!

A trombeta soará

A  cena seguite descrita no Apocalipse passa-se no Céu, à volta do trono de Deus. A frase de introdução Depois disto, aparece com frequência no Apocalipse, e constitui indicação defenida de que a informação é apresentada em ordem cronológica. Quando João, em Apocalipse 4:1 diz: "Depois destas coisas..."  (no grego meta tauta), êle quere dizer que o que vai descrever se segue ao cenário anterior, da igreja na Terra. Do capítulo 4 em diante, portanto, estamos a tratar de acontecimentos futuros, uma vez que, até ali,  estávamos aínda dentro da dispensação da igreja.

Para poder ver o glorioso destino da igreja, João, na sua visão, foi levado ao Céu. Êle tinha ouvido uma voz parecida com o som de uma trombeta, que dizia: "Vem cá cima e Eu te  mostrarei coisas que devem acontecer depois disto" (Apocalipse 4:1). Em breve, quando Cristo vier para os arrebatar, os fiéis vão ouvir uma voz semelhante a esta:

"Pois o Próprio Senhor descerá do Céu com um grito, com a voz do arcanjo, e com a trombeta de Deus. E os mortos em Cristo subirão primeiro. Depois, nós que estamos vivos e ficámos, seremos arrebatados  junto com êles nas núvens, para nos encontrarmos com o Senhor no ar. E assim ficaremos, para sempre, com o Senhor." (1 Tessalonicenses 4:16-17; ênfase acrescentado).

Num estudo das profecias bíblicas, é importante que se compreenda com clareza a doutrina do arrebatamento. A palavra-chave em 1 Tessalonicenses 4:17, é a palavra arrebatados, (grego harpazo). K.S. Wuest, no seu livro Estudos do vocabulário do Testamento Grego (p.68-69), muito louvado internacionalmente, explica  aquela palavra como segue:

"HARPAZO. Esta palavra é uma palavra grega que tem vários significados. Não é traduzida com uniformidade para inglês. Os seus significados são êstes: agarrar, tirar pela fôrça, reclamar para si próprio com veemência, puxar para fóra ou para longe. Foi usada proverbialmente no sentido de socorrer do perigo de destruição. E foi usada tambem relativamente ao poder divino de transportar uma pessoa rápida e maravilhosamente dum lado para outro.A palavra é usada em Mateus 11:12, 13:19; João 6:15, 10:12, 28, 29; Actos 8:39, e 23:10; 2 Coríntios 12:2, 4; 1 Tessalonicenses 4:17; Judas verso 23 e Apocalipse 12:15. O procedimento na exposição grega das Escrituras, quando uma palavra tem mais de um significado, é escolher apenas o signicado que está de harmonia com o contexto... Estudai êstes  locais onde a palavra aparece... Dai especial atenção a 1 Tessalonicenses 4:17, e vede como se vos revelam novas verdades sôbre o Arrebatamento da Igreja."

     Damos a seguir alguns exemplos, de maneiras como a palavra  harpazo foi interpretada na Bíblia:

·      Puxar para fóra (Mateus 13:19).

·      Levar pela fôrça (João 6-15).

·      Tirar pela fôrça de entre (Actos 23:10).

·      Arrebatados (Actos 8:39).

·      Levados para cima ( 2 Coríntios 12:2; 1 Tessalonicenses 4:17; Apocalipse 12:5 ).

As expressões levados para cima, ou arrebatados, ocorrem nos versos abaixo mencionados, e não deixam dúvidas quanto ao seu significado:

"Depois,  quando êles sairam da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe, de modo que o eunuco nunca mais o viu." (Actos 8:39)

"Eu conheço um homem em Cristo, que há catorze anos foi levado para cima para o terceiro Céu." (2 Coríntios 12:2 NIV)

"E o Próprio Senhor descerá do Céu... E os mortos em Cristo subirão primeiro. Depois, nós que estamos vivos... seremos arrebatados   junto com êles...para nos encontrarmos com o Senhor no ar." (1Tessalonicenses 4:16, 17)

"E ela deu à luz um Menino, que devia reger  todas as nações com um varão de ferro. E o seu Menino foi  arrebatado para Deus e  para o Seu trono." (Apocalipse 12:5 KJV)

Escape da ira de Deus

Em Lucas 21, encontra-se uma prova bem clara de que o arrebatamento ocorrerá antes do período da tribulação. Esta promessa é nos dada, depois de uma curta revisão  dos dias nêgros da grande tribulação:

"Atentai portanto, e orai sempre, para que possais ser considerados dignos de escapar todas estas coisas que vão acontecer e de enfrentar o Filho do Homem." (Lucas 21:36) 

De acôrdo com W.F. Arndt e F.W. Gingrich, em (Um dicionário  grego-inglês do Novo Testamento e de outra literatura cristã antiga, pg. 246 ), a palavra escape (Grego Ekfeugo) conforme usada em Lucas 21:36, significa escapar a tribulações. A natureza cronológica do Apocalipse, mostra claramente a glorificação da igreja antes  do primeiro sêlo do período da tribulação ser quebrado.

Do ponto de vista das circunstâncias terrestres, para os Cristãos o arrebatamento vai ser um escape das tribulações que se vão seguir. O período imediatamente anterior ao arrebatamento, será um tempo particularmente nêgro de decepção espiritual, durante o qual os Cristãos evangélicos serão desprezados e ridicularizados. Serão chamados profetas da destruição, por avisarem  o povo  dos iminentes julgamentos  do reinado do Anti-Cristo. E serão tambem tidos como rebeldes, por se recusarem a colaborar na unificação ecuménica de todas as fés, sob a bandeira do Parlamento Mundial das Religiões. Se se mantiverem sinceros e fiéis até ao fim, o Senhor arrebatá-los-á antes da revelação do Anticristo e do comêço do período da tribulação. Esta promessa foi dada à igreja em Tessalónica:

"E agora sabeis o que o está a deter, de forma a que possa ser revelado na altura própria. Porque o poder secreto da injustiça já trabalha; mas Aquele que agora o detem, continuará a detê-lo até ser tirado do caminho. E então será revelado o sem-lei, a quem o Senhor Jesus  derrubará com o bafo da  Sua bôca, destruindo-o com o explendor da Sua vinda."  (2 Tessalonicenses 2:6-8 NIV)

Aqueles que aceitarem os planos de paz falsos e humanísticos do Movimento Nova Era, que abrem caminho a uma Nova Ordem Mundial, unificada sob a égide do Anticristo, não  escaparão à grande tribulação:

"Porque,  quando êles falarem  de 'Paz e segurança,' súbita destruição virá sôbre êles, como as dôres de parto com uma mulher grávida. E não escaparão." (1 Tessalonicenses 5:3; ênfase acrescentado).

Os versos acima mostram à evidência, que haverá um grupo de pessoas que escapará à tribulação, ao passo que os outros, que não se voltaram para Deus, serão apanhados por ela  súbita e inesperadamente.

Todas estas promessas estão em completo acôrdo com a afirmação básica em João 5:24, que diz que aqueles que acreditam no Senhor Jesus Cristo não irão a julgamento, mas já passaram da morte para a vida.

Embóra o arrebatamento seja um acontecimento único, há exemplos nos tempos da Bíblia, em que  Deus  derramou a Sua ira, mas forneceu uma róta de escape aos verdadeiros crentes, pois êles não eram o objecto dessa mesma ira. No tempo de Noé, Deus anunciou os Seus julgamentos sôbre uma geração pervertida e má:

"E Deus disse a Noé – O fim de toda a carne é vindo perante Mim; porque a Terra está cheia de violência por causa dêles; e olhai, Eu destrui-los-ei com a Terra. Constroi tu uma arca..." (Genesis 6:13-14 )

Pouco antes do comêço dos julgamentos, os oito crentes escaparam do desástre entrando na arca. O próprio Deus fechou a porta a tràs dêles antes de julgar os pecadores (Génesis 6:16-23).

No tempo de Lot, os crentes também foram  socorridos. Na noite antes da destruição de Sodoma e Gomorra, foi-lhes ordenado que abandonassem a cidade e se refugiassem nas montanhas. Os anjos insistiram com êles, que nada podiam fazer enquanto Lot e a família se mantivessem entre os pecadores. E, pouco depois da sua partida para os montes, fôgo e enxôfre choveram dos Céus destruindo tudo, cidades e habitantes (Génesis 19:13-25).

A Bíblia diz que existe uma relação clara entre êstes acontecimentos históricos e a maneira como Deus vai  tratar os crentes e os não-crentes no final dos tempos:

"E, conforme aconteceu nos dias de Noé, assim será nos dias do Filho do Homem: Êles comiam, bebiam, casavam-se, e eram dados em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca e a inundação veio  destruindo-os a todos. Da mesma maneira, como aconteceu nos dias de Lot: Êles comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam, construiam; mas no dia em que Lot saiu de Sodoma, choveu fôgo e enxôfre dos Céus, destruindo-os a todos. O mesmo acontecerá no dia em que o Filho do Homem fôr revelado." (Lucas 17:26-30. Ler tambem Génesis 6 e 19).

Pode-se fazer a seguinte comparação entre as situações de então e do final dos tempos:

·      No tempo de Noé e de Lot, reinava a anarquia, pois as pessoas dessas sociedades promíscuas e sem lei faziam tudo quanto queriam. A fôrça era o meio mais comum de resolver conflitos. E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, registou-se um vasto declínio moral e espiritual. As pessoas corromperam-se de tal maneira, que "eram iníquas em todos os seus pensamentos." E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, as pessoas eram excessivamente materialistas, e adoptavam modos de vida liberais, que conduziam a toda a espécie de actos condenáveis, incluindo sodomia (derivado de Sodoma). E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, as pessoas troçavam dos homens de Deus, e não ligavam importância alguma aos avisos proféticos de julgamentos futuros. Consideravam tudo longínqua especulação, e continuavam a viver desordenadamente as suas vidas. E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, Deus deu aos pecadores degenerados tempo suficiente para se arrependerem do seu mau viver. Mas recusaram arrepender-se, selando asisim o seu destino. Só se podiam culpar a si próprios da sua queda e aflições. E assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, Deus ofereceu aos crentes um meio de escape, no preciso momento crítico antes de derramar a Sua ira sôbre os pecadores. A ordem dos acontecimentos foi a seguinte: Primeiro, os avisos proféticos sôbre o que estava  prestes a acontecer. Depois a salvaguarda dos crentes que deram ouvidos ao convite ao arrependimento. E, finalmente, a descarga da ira sôbre os pecadores. E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, não havia segurança para os crentes nominais, cujos corações se encontravam ainda virados para as coisas dêste mundo. A mulher de Lot, foi um exemplo de tais crentes, que possuem apenas uma aparência exterior de rectidão, mas estão ainda espiritualmente mortos. Esta falsa pretenção, custou-lhe a vida no último momento. E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, um desastre assombroso caiu sôbre êste mundo, pouco depois da evacuação dos crentes. Houve morte e destruição como nunca tinha havido na história. E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé e de Lot, os pecadores não conseguiam aperceber-se dos muitos previlégios e bênçãos que gozavam pelo simples facto da presença de alguns crentes entre si. Deus estava preparado para perdoar toda uma cidade, se nela existissem apenas dez crentes. Quando êstes crentes, que brilhavam como luzes no meio de uma geração pérfida e má, foram retirados do caminho, a ira de Deus veio, e completa escuridão espiritual caíu sôbre os sem-Deus. E, assim será mais uma vez...

·      No tempo de Noé, o povo ria-se dos construtores da arca: "e não sabiam nada do que ia acontecer, até que a inundação veio e os levou a todos. Isto é o que acontecerá na vinda do Filho do Homem." (Mateus 24:39 NIV)

Decepção

Imediatamente depois do arrebatamento, muita gente possuida de pânico e mêdo, procurará desesperadamente explicar o mistério do súbito desaparecimento de milhões de pessoas, da superfície da Terra. O mistério tornar-se-á aínda mais confuso, quando se vier a saber que se conta entre os que ficaram para tràs, um grande número de Cristãos nominais (assim chamados), incluindo pastores e teólogos de nome.

A intensidade e poder persuasivo da decepção espiritual que se vai verificar durante êste período, não terá igual em toda a história da humanidade. Aparecerá em cena um 'Príncipe da Paz' com grandes habilidades reformadoras, que captará a imaginação das massas perturbadas, ganhando por completo o seu apôio.

Háde afirmar-se, que os Cristãos evangélicos, (também chamados Cristãos fundamentalistas), foram retirados da Terra por serem rebeldes e pedras de tropêço e por resistirem a mudanças. Devido à sua natureza incorruptível, êles denunciarão as liberdades humanísticas modernas, como a cohabitação, o lesbianismo, as práticas homosexuais etc., chamarão falsas às outras religiões e recusar-se-ão firmemente a estabelecer relações ecuménicas com elas. Ao procederem desta maneira, constituirão ameaça à ideologia emergente da unidade espiritual universal da humanidade. O súbito desaparecimento dos Cristãos, tornará possivel a revelação do Anticristo, e a unificação pelo mesmo do resto da população nas estruturas políticas, religiosas e económicas da Nova Ordem Mundial. E essa  gente será vítima da sua magistral decepção.

Os Cristãos que vão ser levados no arrebatamento encontrar-se-ão  sùbitamente nos lugares celestiais, onde se avistarão com Aquele que está no trono.

A visão celestial

João estava no Céu, em Espírito, no momento em que ouviu a voz semelhante a uma trombeta:

"Imediatamente fui arrebatado em Espírito: E, olhai, um trono erguido no Céu, e Um  sentado no trono. E, Aquele que estava sentado era na aparência como uma pedra de jaspe e sardónica; e havia  um arco-iris à volta do trono, na aparência como uma esmeralda. À volta do trono  estavam vinte e quatro tronos e, nos tronos, eu vi vinte e quatro anciãos, sentados, vestidos de roupas brancas; e tinham corôas de ouro  na cabeça." (Apocalipse 4:2-4)

A glória que João presenciou  era indizível. O melhor que êle podia descrever a excelência e brilho do Senhor, era compará-l'O às mais fulgurantes pedras preciosas. O Seu aspecto era como uma pedra de jaspe e sardónica. A descrição de jaspe em Apocalipse  21:11, como uma pedra  clara como cristal, está mais em harmonia com a descrição de um diamante. A impoluta santidade de Deus é assim expressa desta forma. Sardónica, é uma rocha de intensa côr vermelha, e simboliza o sangue precioso do Cordeiro. O arco-iris verde à roda do trono, simboliza a vida eterna que  possuimos no Senhor Jesus. O circulo sem fim aponta para a eternidade, enquanto que o verde é a côr da vida.

Os 24 anciãos com coroas na cabeça, representam a Igreja de Cristo glorificada. Êles identificam-se sem sombra de dúvida, ao prostrarem-se em frente do Cordeiro em adoração: "Tu fôste morto, e redimiste-nos para Deus com o Teu sangue, de entre todas as tribos, línguas, povos e nações" (Apocalipse 5:9). Êles são os Cristãos  de todas as nações, comprados pelo sangue, e receberão corpos glorificados a quando da ressurreição dos justos. Todos os membros do Corpo de Cristo  vão juntar-se à roda do trono, para participar no julgamento do mundo pelo Senhor, durante  o período da tribulação (1 Coríntios 6:2).

O símbolo usado aqui, para ilustrar a verdadeira Igreja de Cristo, está perfeitamente claro. Ancião é um posto eclesiástico do  Novo Testamento, e refere-se a uma pessoa que foi salva por Jesus Cristo  e que se dedicou totalmente ao serviço do Senhor. O número 24 tem significado especial. Em 1 Crónicas 24, o rei David nomeou 24 famílias para o ministério sacerdotal do templo. Cada grupo serviria no santuário durante duas semanas por ano, de acôrdo com uma rotação fixa. Em 1 Pedro 2:9, todo o crente do Novo Testamento é chamado para "um sacerdócio real... de modo a poderdes proclamar os louvores d' Aquele que vos chamou da escuridão para a Sua luz maravilhosa." Ser um ancião, implica obediência ao chamamento do Senhor para o trabalho do discipulado. 

Leitor: Já aceitáste o chamamento Cristão de servir ao Senhor? Quer em tempo total quer parcialmente? e o equipamento espiritual para o fazer? Os 24 anciãos têm todos coroas de ouro na cabeça, o que prova ter o seu ministério cristão sido aprovado por Jesus Cristo (Apocalipse 22:12). Aparecer à Sua frente de mãos vasias, equivale a esconder o nosso talento no chão e a comparecer depois envergonhado diante de Cristo, no dia da Sua próxima vinda (1 Coríntios 3:15; 2 Coríntios 5:10; Galatas 6:9; 1 João 2:28; Apocalipse 22:12). A qualidade de ancião é semelhante à de discípulo, pois em ambos os casos fé e obras andam juntos. No entanto, estas últimas não devem ser as obras da carne, nascidas da visão e habilidades humanas, mas sim aquelas levadas a cabo em obediência a, e sob a direcção do Espírito Santo.

Devemos ter cuidado e não confundir as obras com a salvação: "Porque pela graça fostes salvos através da fé... não pelas obras, para que ninguem se possa vangloriar." (Efésios 2:8-9). No entanto, depois de sermos salvos, somos chamados a uma vida de dedicação e obras de fé: "Pois nós somos obra Sua, criados em Jesus Cristo para boas obras, que Deus preparou dantes para que caminhemos nelas" (Efésios 2:10). É por estas obras, que os anciãos receberão coroas. A Bíblia menciona as seguintes cinco coroas a que os crentes aspiram: A coroa da alegria, para os que ganham almas (1 Tessalonicenses 2:19; Filipenses 4:1 ); A coroa da vida,  para os Cristãos mártires (Tiago 1:12; Apocalipse 2:10); A coroa da glória para os pastores fiéis (1 Pedro 5:4); A  coroa incorruptível  para os  que viveram uma vida dedicada e santa (1 Coríntios 9:25) e a coroa da justiça para aqueles que esperarem e amarem a Sua vinda (2 Timóteo 4:8).

O ano da libertação

Depois de ter salvo a Igreja da hora de tribulação, o Senhor lançará a Sua divina ira sôbre o mundo iníquo, para  castigar aqueles que O rejeitaram, e para libertar finalmente o mundo do domínio das fôrças malignas da escuridão. Apocalipse 5:1-5, constitui o prelúdio de um processo dramático de redenção, que terá lugar durante os sete anos da próxima tribulação. Êste prelúdio é tratado tomando por base a lei israelita tradicional da redenção, de que  há um exemplo no livro de Ruth. Uma comparação entre as circunstâncias em que  Ruth se encontrava, e as circunstâncias prevalecentes no final dos tempos, lançará muita luz sôbre a cena de Apocalipse 5: 

Naomi, o marido e os seus dois filhos, abandonaram Belem durante uma grande séca e fome, refugiando-se em Moab como estrangeiros. De modo semelhante, a humanidade inteira enfrentou  grande séca espiritual, depois da Queda do homem, em resultado da qual os direitos à nossa propriedade se perderam. Até mesmo hoje em dia, continuamos como estrangeiros e de passagem, num mundo vil em que temos de lutar contra as autoridades  e poderes da escuridão desta era (Efésios 6:10-13).

Durante o seu exílio, três dos membros da família de Naomi morreram, e um quarto decidiu ficar para tràs. Eventualmente, apenas dois dêles encontraram graça aos olhos de Deus, sendo-lhes restituida a sua propriedade. Como comparação, podemos dizer que a maior parte das pessoas morre na sua peregrinação como pecadores, mas que, aqueles que  colocam a sua confiança no Senhor para ser salvos, são restaurados e reavivados espiritualmente.               

De volta a Belem, depois da morte dos outros, Naomi e a nóra encontraram um enorme problema. A dívida acumulada pela propriedade durante os anos da sua ausência era maior do que  podiam pagar. Tinham de  procurar um parente rico que, na qualidade de membro da família, pudesse redimir a terra e restaurá-la aos seus pobres donos. Êsse parente tinha tambem de tomar Ruth como esposa, para perpetuar a família. Êsse redentor, encontraram-no na pessoa de Boaz, que aplicou a lei da redenção e pagou a dívida. Tomou Ruth, a Moabita, como esposa, pois ela tinha acompanhado a sogra para a terra onde o Deus de Israel reinava. Ruth e Naomi ficaram radiantes e extremamente gratas pelo que Boaz fez. Se êle não tivesse vindo em seu auxílio, a propriedade tinha caido nas mãos de estranhos, e o nome de família tinha desaparecido.      

Jesus Cristo é Aquele que veio até nós e nos redimiu. Êle tomou o pêso da nossa dívida sôbre Si mesmo, e pagou o preço total da mesma. Por causa dêste acto de amor, tornámo-nos co-herdeiros com Êle, e com Êle vamos reinar na nossa herança assim restaurada. Alem disso, Êle tomou-nos como Sua noiva, por têrmos vindo até Si procurar refúgio - a nós, que, como Ruth, nascemos num mundo pagão! Que alegria imensa para nós, têrmos encontrado um parente que se compadeceu, pagou a nossa dívida e nos transformou em filhos e filhas do Pai Celestial, em Cuja presença vamos gozar a eternidde!

A alegria dos anciãos não teve limites, quando compreenderam que  o seu Salvador, Jesus Cristo – Parente e Redentor – não só pagava o preço dos seus pecados, mas libertaria tambem o mundo inteiro  do poder do Maligno. Desta maneira, e de acôrdo com Génesis 1:28, êles vão em breve rehaver a sua herança na Terra, e reinar nela com Jesus como reis.   E então, a situação causada pela Queda do Homem, em resultado da qual "o mundo inteiro está sob a influência do Maligno," não mais existirá (1 João 5:19).

Em Israel, era hábito registar num rôlo as heranças ou hipotecas sôbre uma propriedade. Em cada um dos casos, depois de certos dados terem sido escritos, o documento era selado. O registo testamental do nosso direito à herança e posse de toda a Terra, foi selado com sete sêlos. E apenas Cristo é digno de quebrar tais sêlos e abrir o registo. Êle é não só o proprietário legal do mundo, mas tambem Aquele que pagou a totalidade da dívida acumulada pela decepção de Satanás e pelo afastamento satânico da humanidade do propósito de Deus.           

Quando os sêlos forem quebrados um após outro, a Terra verá cair sôbre si os mais violentos julgamentos de todos os tempos. Muitos dos profetas do Velho Testamernto referiram-se a êles: 

"Porque, olhai, o Dia do Senhor  está a  chegar, o dia terrível da Sua ira e grande cólera. A Terra será destruida, e com ela todos os pecadores. Os céus sôbre êles, ficarão nêgros.Nenhuma luz brilhará do Sol, da Lua ou das Estrêlas. E Eu castigarei o mundo pela sua maldade, os iníquos pelo seu pecado; esmagarei a arrogância do orgulhoso e a altivez do rico. Poucos viverão, quando Eu acabar o meu trabalho." (Isaías 13:9-11 LB)

''O grande Dia do SENHOR está perto...Êsse dia  é  um dia de ira, um dia de aflição e angústia, um dia de devastação e desolação,  um dia de  escuridão e tristeza,  um dia de núvens e grande negrume, um dia de soar a trombeta e de  alarme contra cidades fortificadas e  altas tôrres. Eu trarei angústia sôbre os homens e êles caminharão como cegos, por terem pecado contra o SENHOR; o seu sangue se derramará como pó e a sua carne como esterco. Nem a sua prata nem o seu ouro os poderão livrar no dia da ira do SENHOR.'' (Sofonias 1:14-18)  

As más obras dos homens serão destruidas, e o poderio do reino de Satanás será sistemàticamente desfeito, até serem demolidas todas as suas fortalezas. Quando o Leão de Judá aparecer vitoriosamente no campo de batalha, no final da grande tribulação, o Anti-cristo e o Falso Profeta serão capturados e lançados vivos no lago de fôgo. Ao mesmo tempo, o Diabo será amarrado no pôço sem fundo durante mil anos.

Com todos êstes horríveis acontecimentos futuros em mente, os anciãos esperam em suspenso  pela abertura do primeiro sêlo....