10.  Uma Estratégia Bíblica Para a Sobrevivência Espiritual

Num livro desta natureza, torna-se necessário fornecer uma estratégia bíblica para a sobrevivência espiritual durante o período da tribulação, àqueles que não vão estar preparados  para se encontrarem com o Noivo Celestial e portanto vão ficar para tràs. À luz do que já foi dito no livro, nêste capítulo vamos dar informação suplementar. A principal fiinalidade desta estratégia, é indicar às pessoas como podem sobreviver espiritualmente e entrar no Céu, a pezar de toda a decepção e da terrível tribulação que terão de encontrar pela frente, durante o reino de terror do Anticristo.

A promessa de escapar à tribulação, é apenas para aqueles que estão espiritualmente prontos e são dela merecedores (Marcos 13:33 a 37 e Lucas 21:34 a 36). O cumprimento desta promessa vai constituir um tremendo choque para a igreja rebelde, complacente e mundana dos nossos dias. Totalmente aterrorizada, essa igreja  terá de aceitar o facto da sua falência espiritual. A pergunta na bôca de toda a gente vai ser: "Que acontecerá agora, e que devemos fazer ?"

A Bíblia tem respostas claras para esta e outras perguntas. Ajudará aqueles que ficaram para tràs a formular um plano de acção apropriado. Se seguirem cuidadosamente as instruções bíblicas, poderão aínda ser salvos durante o período da tribulação, e garantir a sua herança  do Reino dos Céus.

No entanto, durante  tal período, não vai ser fácil encontrar o caminho para a vida eterna através da porta estreita. Além do requisito básico de ter fé no Senhor Jesus como Salvador, haverá a pagar um preço deveras elevado de negação pessoal do 'eu', de pobreza económica, e de tróça pública e rejeição. E o preço de uma pessoa se tornar Cristã, incluirá tambem estar pronta a perder a vida como mártir, pela sua fé.

Embóra muitas pessoas aceitem o desafio da obtenção da imortalidade, a maioria, para sua eterna ruina, escolherá o caminho mais fácil de fugir ao dilema. A decepção em massa da falsa igreja vai ser de tal maneira poderosa, que milhões de pessoas vão ser por ela arrastados. Na página seguinte faz-se uma exposição básica dos acontecimentos durante as duas metades do período da tribulação. A natureza distinta dos dois períodos, isto é, dos 3 anos e meio da falsa paz e dos 3 anos e meio da grande tribulação, tornar-se-á de facto óbvia, no restante desta discussão.

A TRIBULAÇÃO DE SETE ANOS

(O Sétimo Ano-semana de Daniel)

Arrebata-mento

Ausência da Terra por sete anos, da Noiva de Cristo. Durante o seu ministério terreno, ela brilhou como a luz no meio de uma geração tortuosa e perversa. Depois da sua partida, o que prevalecerá na Terra será a escuridão espiritual.

  Segunda

       Vinda

REINO DO ANTICRISTO

FALSA PAZ

(3 anos e meio)

GRANDE TRIBULAÇÃO

(3 anos e meio)

Revelação do Anticristo como Principe da Paz. Êle baseia a sua soberania  mundial em estruturas políticas, religiosas e económicas.

O Anticristo viola o templo, abole os sacrifícios e declara-se Deus. Israel anula o acôrdo que fizera com êle.

Institui-se Nova Ordem Mundial com a sua Fôrça Mundial da Paz, fortalecendo-se assism a aliança das religiões mundiais.

A aliança das religiões mundiais é destruida (falsa Igreja Mundial), que é substituida pela adoração forçada do Anticristo como Deus.

O Anticristo assina um acôrdo com Israel, como seu Messias. Todas as outras religiões o aceitam e adoram nessa capacidade.

Aprovam-se perseguições severas contra os Judeus e Cristãos que se recusem a adorar o Anticristo como Deus. Os infractores são condenados e executados.

Constroi-se o terceiro templo em Jerusalem junto à mesquita islamita. Proclama-se a mentira que todas as religiões adoram o mesmo Deus.

O Anticristo torna-se único dirigente mundial e ditador militar e controla a economia mundial  sem dinheiro por meio de números computados relacionados com o 666.

A Babilónia é reconstruida no Iraque, como capital da Nova Era, e símbolo da unidade mundial. Na Terra há uma recuperação económica temporária e uma paz falsa.

Guerras, pestilências e desástres naturais dão origem a uma mortandade sem precedentes. Procede-se à mobilização militar para a batalha de Armagedon.

A hora da escuridão

No momento em que se der o arrebatamento, a luz do mundo desparecerá. Depois daqueles que testemunham da verdadeira luz, Jesus Cristo, terem abandonado o planeta Terra, e não se encontrarem já em parte alguma, prevalecerá apenas no mundo uma grande treva espiritual.  Irromperá  subitamente o pânico, muito especialmente no meio do mundo cristão tradicional.

Os que se desinteressaram, os que mostravam apenas uma semelhança de santidade, os agnósticos e todos quantos praticam religiões não-cristãs, ficarão perplexos e confusos perante tão dramático acontecimento. No entanto, depressa aparecerão a público as mais absurdas e impossíveis explicações para o arrebatamento, num esfôrço para acalmar as populações e  minorar os seus receios. E haverá aínda  mentiras mais traiçoeiras, para levar a humanidade a acreditar essas explicações satânicas.

Guerra no Médio Oriente

Mais ou menos na altura do arrebatamento, uma aliança russo-árabe lançará um ataque de surpreza contra Israel (Ezequiel 38-39). Muito provàvelmente, serão utilizadas ogivas nucleares contra a nação israelita, criando assim a possibilidade de uma guerra mundial em larga ecala. Surgirá então subitamente, uma crise de proporções globais. A estabilidade política e económica do mundo será gravemente abalada, os mercados da bolsa cairão, e ver-se-á a mobilização de fôrças militares na Europa, Médio Oriente, Ásia e Estados Unidos da América. E então os acontecimentos sofrerão uma reviravolta repentina... As fôrças inimigas, reunidas para destruir Israel, serão destruidas por Deus de forma dramática e surpreendente (Ezequiel 39:1 a 5). A nação israelita, cercada,  reconhecerá a intervenção divina, e dará glória a Deus. Mas depois, cometerá o êrro fatal de aceitar o  falso Messias.

Um homem de incríveis poderes sobrenaturais aparecerá em cena, (2 Tessalonicenses 2:9 e Apocalipse 13:11 a 13). Êle reclamará para si a vitória, e alegará que foi enviado por Deus para evitar uma terceira guerra mundial e salvar assim a humanidade de uma catástrofe horrível. Firmará acôrdos com todas as nações e grupos religiosos, atingindo em breve uma posição mundial de comando. E as populações vão segui-lo em toda a parte, maravilhadas, fortemente impressionadas pelos seus esforços de paz e pela sua habilidade de reconciliar mesmo os grupos mais hostis. Toda a gente vai recusar-se a ver algo de mal ou enganoso nas suas acções, e vai adorá-lo como o Principe da Paz havia tanto tempo esperado na Terra.  Todo o mundo  estará preparado até para rejeitar e perseguir os cristãos evangélicos que chamam Anticristo ao seu chefe.   

Casamento  da religião e da política

Um dos aspectos mais proeminentes do reino do Anticristo, será a associação íntima da religião com a política. Logo de princípio êle vai combinar estas duas actividades, sendo ao mesmo tempo chefe de um govêrno mundial e 'Messias' do Universo. O seu companheiro de governança será o Falso Profeta, que dirigirá a aliança das religiões mundiais. Êle seduzirá os membros de todas as religiões, levando-os a honrar a Bêsta e a adorá-la como Messias (Apocalipse 13:12).

Sedução em massa como nunca dantes

O manto religioso do Anticristo, fará dêle um enganador das massas como o mundo nunca dantes vira.  O Anticristo transformar-se-á em 'Anjo da luz' – mensageiro de Deus que veio trazer a verdadeira paz, unidade e reconciliação à humanidade. Jesus avisou fortemente contra êste tipo de decepção que êle usará em Seu nome: "Tende cuidado que ninguem vos engane. Pois muitos virão em Meu nome, dizendo 'Eu sou o Cristo', e enganarão muitos." (Mateus 24:4, 5. Ver tambem o verso 11).   

A era da igreja termina aqui

O arrebatamento porá oficialmente têrmo à era da Igreja de Cristo na Terra. Até aqui, havia a garantia efectiva de que Jesus protegia a Sua Igreja contra os ataques e artimanhas do  Maligno: "Eu construirei a Minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mateus 16:18). Durante a grande tribulação, o Anticristo..."fará guerra contra os santos e os vencerá" (Apocalipse 13:7). Vai vencê-los fisicamente, mas não espiritualmente, se se mantiverem fiéis ao Senhor Jesus Cristo e ao seu testemunho de salvação (Apocalipse 12:11).

Muitos anos antes do arrebatamento, a maior parte das igrejas já se tornou vítima de uma espécie de santidade sem vida, de falsos reavivamentos, de decepção dogmática e de complacência religiosa, ao envolver-se no Movimento Ecuménico. Em todos êstes casos, não se insistiu entre os membros, na necessidade clara do renascimento para se tornarem cristãos (João 3:3).

Todos os Cristãos frios (Mateus 24:12), assim como todos os salvos durante a tribulação, terão de se afastar das igrejas. Porque o Anticristo  obterá contrôlo sôbre todos os governos, igrejas e sistemas monetários, as únicas igrejas que vão ter autorização para existir  durante o seu reinado,  serão as igrejas falsas que o reconhecem como pai espiritual.    

Nas igrejas e grupos religiosos que nessa altura vão procurar reconhecimento público e o direito de continuar a ''negociar'', vão-se notar formas aínda mais chocantes de complacência espiritual e apostasia. As pequenas igrejas evangélicas que quáse se esvasiaram por causa do arrebatamento, não poderão existir durante êsse período, se se recusarem a adorar o Anticristo como Messias Universal. E, se se comprometerem com êle  para continuarem a existir, então tornar-se-ão tambem falsas.

Redimidos pelo sangue do Cordeiro 

Para sobreviver espiritualmente durante o período da tribulação, vai ser necessário muito mais que resistir simplesmente ao Anticristo e às suas ideologias. O Sangue do Cordeiro, que foi derramado para cobrir os pecados de um mundo perdido, continuará a ser a única base para a salvação (Efésios 1:7; 1 João 1:8, 9;  1 Pedro  1:18, 19). Cada pessoa terá  de  confessar  os  seus pecados ao Senhor e deixá-los para tràs ao mesmo tempo (Provérbios 28:13). Terá de aceitar o Seu perdão pela fé, e ser espiritualmente renovada (Romanos 12:2 e 2 Coríntios 5:17) e ter assim a experiência da libertação do poder do pecado (João 8:36). Terá de dar testemunho a outros da sua salvação (Romanos 10:9, 10) e da sua entrega incondicional ao Senhor Jesus, e manter convívio com outros Cristãos, encorajando-os a perseverar na fé.

144 000 judeus salvos 

Vai haver um grande derramamento do Espírito Santo entre os Judeus:

"E Eu derramarei o Espírito da graça e da súplica sôbre a casa de David e sôbre os habitantes de Jerusalem; e então olharão para Mim, a quem trespassaram." (Zacarias 12:10)

Logo ao princípio da tribulação, haverá um grupo de 144 000 Judeus que será salvo. Imbuidos do poder do Espírito Santo, proclamarão ousadamente que Jesus Cristo (Yeshua Ha Mashiach) é o único verdadeiro Messias de Israel e do mundo inteiro. O seu testemunho colocá-los-á imediatamente em conflito com os seguidores do falso Messias, cuja decepção será  exposta por êsses Judeus messiânicos. E então começará com toda a fúria a perseguição dos seguidores do verdadeiro Messias. Mas o Senhor vai guardá-los e protegê-los (Apocalipse 7:1 a 8).

Os Cristãos então recentemente salvos, devem associar-se aos Judeus messiânicos apoiando-os, a pezar de correrem o risco de serem perseguidos, e devem olhar essa sua atitude como a última oportunidade de fazerem algo para a extensão do reino do Senhor na Terra. Não vos deixeis atrair para as estruturas da falsa igreja dessa altura, dando assim crédito ao falso Messias enviado pelo 'Anjo da Luz' (2 Coríntios 11:13 a 15).

Perseguição dos Cristãos 

Nas duas metades do período da tribulação, a natureza da perseguição aos Cristãos vai ter formas diferentes. Os primeiros 3 anos e meio serão caracterizados por uma paz e unidade falsas, enquanto que os últimos 3 anos e meio são muito apropriadamente descritos como a grande tribulação. Durante a primeira metade, o Anticristo governará juntamente com outros governantes, e tomará tambem conta de assuntos religiosos em consulta com os dirigentes da aliança das religiões mundiais. Será utilizada a fôrça, mas não em excesso e apenas com o consentimento dos seus co-governantes. Para ganhar maior apôio da população, usará métodos mais suaves, como intimidação, subôrno, decepção, e lavagem cerebral. Quando necessitar do uso da fôrça, haverá uma 'Fôrça da paz', internacional, instruida para disciplinar os oponentes da Nova Ordem Mundial. Êstes serão considerados rebeldes e acusados de ameaçarem grandemente  a paz e unidade mundiais.

     Os Cristãos Fundamentais, por apenas adorarem o verdadeiro Messias, Jesus Cristo, e explicitamente se desligarem da aliança das religiões mundiais, serão alvo de uma extensa campanha de propaganda e guerra psicológica. Serão odiados e condenados por todas as nações,  bem asim como pela poderosa aliança religiosa do falso Messias.

O cenário da perseguição aos Cristãos durante o período da tribulação, vai manifestar-se progressivamente da maneira seguinte: Inicialmente os Cristãos Fundamentais vão ser odiados, rejeitados e intimidados. Mas, com a passagem do tempo, a pressão exercida contra êles aumentará, culminando numa campanha de extermínio:

"E então vos entregarão para serdes atormentados e matar-vos-ão, e sereis odiados por todas as nações por causa do Meu nome. E muitos  ofender-se-ão, trair-se-ão uns aos outros, e odiar-se-ão uns aos outros… Mas aqueles que aguentarem até ao fim serão salvos. E êste  Evangelho do Reino será prègado no mundo inteiro, como testemunho para todas as nações,  e então virá o fim" (Mateus 24:9 a 14).   "...sim, a hora está a chegar em que, quem quer que vos mate pensará que está a fazer um favor a Deus. E estas coisas vos farão, porque não conheceram nem ao Pai nem a Mim." (João 16:2, 3)  

Os Cristãos da tribulação devem esforçar-se por não se comprometer seja de que maneira fôr, mas ser dos que rejeitam o reino da Bêsta e proclamam o Evangelho do Reino de Jesus Cristo. Devem estar  preparados para morrer como mártires pela fé e nunca renunciar às implicações  da sua decisão:  "Não tenhais mêdo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Temei sim Aquele que é capaz de destruir tanto a alma como o corpo no Inferno." (Mateus 10:28)

Sugestões para uma estratégia

De forma a obter a vantagem máxima para o Reino de Deus, torna-se importante seguir os passos apropriados desde o princípio da tribulação. Precavei-vos contra a tendência de viver uma vida de interêsses egoístas, em que apenas procurais a sobrevivência económica própria e da família. Nenhum Cristão sobreviverá fìsicamente à tribulação e portanto não deve nunca considerar a sobrevivência económica e física assim como o esconder-se, como objectivos principais. O seguinte são sugestões para uma estratégia com sentido:

·        Sois instruidos  para que resistais ao Anticristo e, como os três amigos de Daniel, não curveis o joelho em frente ao moderno rei da Babilónia. Avisai tantas pessoas quanto possivel, contra a decepção e perigos espirituais do reconhecimento do falso Messias. Juntai-vos a outros Cristãos na organaização de uma campanha de explicação dos perigos da decepção e do comprometimento com o inimigo.

·        Não façais tentativas fúteis para destronar o Anticristo ou promover os vossos interesses nacionais em perigo. A tribulação é a hora da escuridão, e será  dada ao seu chefe "autoridade sôbre toda a tribo, língua e nação" (Apocalipse 13:7). Avisai os outros para não serem leais a êste enganoso ditador, e convencei-os a prepararem-se para pagar o mais alto preço pela sua fé no verdadeiro Messias.

·        Não façais asneiras que logo de princípio vos possam levar à prisão, cadeia ou execução. Tentai manter-vos longe da esfera de acção do Anticristo e das suas fõrças, pelo maior espaço de tempo possivel. Estai àlerta para com os seus traiçoeiros métodos de obter informação sôbre os movimenos e residência de Cristãos, pois é certo que vão colocar informadores mesmo entre verdadeiros crentes, como espiões.  Daniel afirma que "...muitos vão juntar-se-lhes  por meio de intriga" (Daniel 11:34). Procurai assegurar-vos da veracidade do testemunho de salvação de certas pessoas, e não reveleis informações desnecessárias a novatos. O cuidado é tudo !

·        Como nos dias da antiga igreja, os Cristãos devem prestar assistência uns aos outros, para sobreviver econòmicamente. Vendei a vossa propriedade fixa,  a menos que ela possa ser utilizada como base de sobrevivência, ou como uma espécie de centro cristão. Lembrai-vos que, durante a segunda parte da tribulação, quando o sistema monetário sem dinheiro basedo no número do Anticristo estiver em vigôr, não podereis vender qualquer propriedade. Entretanto, vendei outros bens de que não necessiteis de imediato, e utilizai o dinheiro no evangelismo e na provisão de locais de rfefúgio para os Cristãos, na obtenção de alimentos, utensílios de cosinha, vestuário, mantas e  medicamentos, que tereis de guardar em lugar seguro. Não vos demitais dos vossos emprêgos abandonando a vossa fonte de receita, durante os primeiros 3 anos e meio da tribulação, a não ser que extrema pressão seja exercida sôbre vós.

·        Durante os primeiros 3 anos e meio, é aconselhável estabelecer centros de evangelização em vários pontos, onde se possam armazenar e até imprimir Bíblias e outra literatura cristã. Utilizai apenas a versão da Bíblia do Rei Tiago (King James) como fonte de confiança da Palavra de Deus e guardai algumas bíblias e outra literatura em lugares secretos, onde não possam ser facilmente encontradas e confiscadas pelas autoridades do Anticristo. Lembrai-vos que não podereis obter em parte alguma a Palavra de Deus. "Êles andarão de mar para mar e do Norte para o Léste; correrão de um lado para o outro, à procura da Palavra do SENHOR, mas não a encontrarão." (Amos 8:12).

A grande tribulação

Depois de 3 anos e meio, no meio do período da  tribulação, registar-se-á um acontecimento extremamente chocante. O Anticristo, que é descrito como uma Bêsta com sete cabeças, no livro do Apocalipse, será assassinado, mas regressará à vida depois de alguns dias (Apocalipse 13:3). Para espanto de toda a gente, êle ressuscitará miraculosamente dos mortos. O povo vai  receá-lo como entidade divina  possuindo os mais extraordinários poderes sobrenaturais. Vai adorá-lo, bem como a Lucifer, por meio de cujo poder foi ressuscitado: "E todo  o  mundo  se maravilhou e seguiu a Bêsta. E, assim, adoraram o Dragão que deu autoridade à Bêsta; e adoraram a Bêsta dizendo 'Quem se compara à Bêsta? Qem é capaz de lhe fazer guerra?" (Apocalipse 13:3, 4).     

O triunvirato satânico do Diabo, Anticristo e Falso Profeta, mover-se-á então rapidamente para usurpar todo o poder sôbre a Terra, e o satanismo será a única religião oficialmente reconhecida no mundo. Aqueles que  recusarem sujeitar-se a ela, serão executdos pùblicamente (Apocalipse 13: 15). Todos os adversários do seu govêrno serão liquidados sem compaixão. Referindo-se a êstes terríveis males, o Senhor Jesus disse: "Porque então haverá grande tribulação, como nunca se viu desde o princípio do mundo até hoje, nem nunca mais se verá. E, a menos que tais dias sejam encurtados, nenhuma carne se salvará." (Mateus 24:21, 22)

O ditador da economia

Com o fim de obter contrôlo absoluto sôbre a população, o Anticristo instituirá um sistema económico sem dinheiro para o mundo, controlado de um ponto central. Serão distribuidos números de identificação pessoal, relacionados com o 666, a todas as pessoas econòmicamnte activas, sem os quais será impossível obter acesso ao sistema monetário sem dinheiro. O número 666 qualifica-se explicitamente  como o número da Bêsta; por conseguinte, associa o portador aos dirigentes satânicos da Nova Ordem Mundial.    

Antes que se possa atribuir um de tais números a uma pessoa, essa pessoa terá de prestar juramento de fidelidade ao Anticristo e seu govêrno mundial. Tal juramento implicará tambem a adesão à Bêsta como deus dêste mundo, e constituirá assim um acôrdo com a morte (Apocalipse 14:9 a 11). Esta forma de contrôlo absoluto, irá muito mais alem do que comprar e vender, pois as pessoas ficarão sujeitas corpo alma e espírito, ao mando dêste maligno ditador. Por favor não sigam o exemplo de Esau, vendendo a vossa alma ao Diabo por vantagem financeira (Hebr. 12:16,17).   

Recusar o número do Anticristo terá consequências tão graves, que apenas Cristãos verdadeiramente dedicados vão ser capazes de se aguentar. Entre as implicações de tal recusa, podem apontar-se as seguintes:  

·        As pessoas que o recusarem perderão o direito ao seu número de identificação, bem assim como o direito à cidadania do seu próprio país e do estado mundial. Tal recusa será considerada um acto punível.

·        Tal acto é tido como rejeição da Nova Ordem Mundial e seu dirigente, cuja marca será parte dos novos números de identificação (ID's). As pessoas sem êsse número, serão acusadas de alta traição e sumàriamente executadas em público.

·        Serão tambem  consideradas rejeitadoras da religião obrigatória da Nova Ordem Mundial isto é, da adoração da Bêsta como  Deus. A pena de morte  será tambem aplicada  a esta ofensa.

·        Sem aquele número, as pessoas não obterão acesso ao sistema electrónico de transferência de fundos (EFT), e portanto não poderão comprar, vender ou pagar as suas contas. Será impossível obter a licença para um carro ou comprar combustível. As facturas por serviços recebidos e as taxas ficarão por pagar, bem como as prestações de propriedades, automóveis e outras coisas necessárias à vida normal. E, por falta de pagamento, as coisas adquiridas serão reclamadas e confiscadas. A mensagem é clara: Sem o número da Bêsta, nenhuma pessoa poderá continuar econòmicamente activa nêste sistema sem dinheiro. 

·        As pessoas perderão os emprêgos e não poderão empregar-se de novo sem um número de identificação, pois tais números servirão ao mesmo tempo para pagamento de salários e como referência bancária.  

·        Depois da implantação da economia sem dinheiro, todo o dinheiro que uma pessoa possa ter na altura será convertido em crédito, que só poderá ser transferido para outras contas ou usado para pagamentos, utilizando  o novo número de identificação pessoal.

É evidente, que o contrôlo da economia vai ser uma arma poderosa nas mãos do Anticristo, com a qual vai forçar as pessoas a aceitar a sua Nova Ordem Mundial e a adorá-lo como Deus. Desta maneira,  êle escravizará toda a população mundial, privando-a de todas as liberdades políticas, económicas e religiosas que dantes possuia. Todos aqueles que se recusarem a aceitar o número, tornar-se-ão em nada mais nada menos que fugitivos roubados, sem emprêgo e empobrecidos. Devido a terem sido acusados de alta traição por se oporem ao Anticristo e às suas estruturas governamentais, quando forem presos enfrentarão uma morte certa. Fôrças militares especiais andarão à sua caça e arrastá-los-ão à guilhotina. Alguns serão mortos a tiro ao fugirem, enquanto que muitos outros morrerão à  fome, de doenças, de exposição a duras condições climáticas e por beberem água contaminada.        

Assassínio de Judeus e Cristãos

Quando o Anticristo se declarar como Deus,  a nação israelita vai rejeitá-lo e violar o acôrdo que tinha firmado com êle, e então êle tornar-se-á o seu maior inimigo, e tentará aniquilar todos os Judeus. E, para que um remanescente dos judeus se possa salvar, terá de fugir de Israel para um lugar no deserto, (provàvelmente Petra, ao Sul do Mar Morto), onde o Senhor os sustentará durante os 3 anos e meio da grande tribulação. É a esta súbita fuga que Mateus se refere em Mateus 24:15 a 21.

Os Cristãos tambem vão ser alvo de perseguição e execução, por se recusarem a adorar o Anticristo como Deus (Apocalipse 6:9 a 11 e 13:15). A pezar do seu sofrimento e dificuldades, êles deverão ajudar os Judeus em fuga, e informá-los àcerca do verdadeiro Messias e da sua Vinda ao Monte das Oliveiras, no final do reino de terror de 3 nos e meio do Falso Messias (Daniel 12:11, 12 e Zacarias 14:4, 5). Falando dos Judeus, o Senhor disse: "Eu abençoarei os que vos abençoarem e amaldiçoarei aqueles que vos amaldiçoarem." (Génesis 12:3)   

Vitória na luta

Embora o Anticristo consiga espantoso poderio militar, económico e religioso durante o seu reinado na Terra, nunca conseguirá levar os verdadeiros Cristãos a submeter-se. Vai conseguir matar os santos, mas nunca conseguirá que o adorem, se êles escolherem manter-se fiéis a Jesus. Durante esta hora nêgra, o Senhor dará poder às Suas testemunhas para resistirem ao Anticristo e continuarem na sua fé até à morte: "E êles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho, e não amaram as suas vidas até à morte." (Apocalipse 12:11) 

No versículo acima, são mencionadas três poderosas armas, que serão usadas pelos Cristãos na luta:

·        A primeira é o sangue do Cordeiro.Constitui a base da salvação, quando uma pessoa confessa os seus pecados ao Senhor (1 Pedro 1:18, 19 e 1 João 1:8, 9). O sangue de Jesus tambem protege contra os ataques do inimigo. Confiai no Senhor Jesus para vos proteger com o Seu sangue,quando estiverdes em perigo espiritual.

·        A segunda arma, é a palava de testemunho. Dar testemunho da graça salvadora e poder redentor do nosso Redentor, torna o inimigo incapaz de nos influenciar. Um testemunho desta natureza dará ao pecador coragem para se manter firme e dedicar a sua vida ao Conquistador, Jesus Cristo. Nunca deixeis de dar o vosso testemunho !

·        Terceira: Não ter mêdo da morte, mesmo quando se enfrenta uma morte de mártir como aquela a que o Anticristo vai submeter os Cristãos, constitui uma poderosa arma espiritual. Ela dará indisputável credibilidade ao seu testemunho, se êles estiverem dispostos a morrer por êle. Se tiverem mêdo da morte, e estiverem talvez mesmo, dispostos a negar Jesus, o seu testemunho cristão não será convincente, nem terá poder algum.    

 O destino do Anticristo

O Anticristo e os seus adeptos caminham para o castigo eterno no lago de fôgo, separados de Deus e da Sua Glória:

"Então a Bêsta foi capturada, e com ela o Falso Profeta que operava maravilhas na sua presença, com as quais enganava os que recebiam a marca da Bêsta e os que adoravam a sua imagem. Êstes dois foram lançados vivos no lago de fôgo que arde com enxôfre." (Apocalipse 19:19 a 21 e Apocalipse 14:9 a 11). 

O destino dos Cristãos

A despeito do facto, que os Cristãos estão condenados a perder todos os  bens materiais, direitos e previlégios, durante a grande tribulação, o seu destino final será glorioso: Veja-se Apocalipse 7:9 a 17 e 21:4, 5. Vai o leitor contar-se entre a multidão de redimidos de todas as nações, tribos, povos e lingvuas ? Há tambem lugar para si !

À luz destas maravilhosas promessas de vitória final, os mártires podem ganhar coragem para continuar no seu árduo caminho. Se continuarem fiéis até à morte, herdarão o Reino de Deus e, dentro em breve, reinarão com Jesus na Terra:

"E eu vi tronos, e êles sentavam-se nêles, e foi-lhes dado poder para julgar. E Eu vi as almas daqueles que tinham sido decapitados por causa do seu  testemunho de Jesus e da Palavra de Deus, e que não  haviam adorado a bêsta ou a sua imagem, e não tinham recebido a sua marca na testa ou nas mãos. E viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos." (Apocalipse 20:4)

Isto será tambem o cumprimento da promessa feita aos membros fiéis da congregação de Tiatira:

" ...agarrai-vos ao que já tendes até que Eu venha. E àquele que vencer e mantiver as minhas obras até ao fim, a êsse Eu darei poder sôbre as nações E com vara de ferro as regerá..." (Apocalipse 2:25-27).