Quem é Jesus?

Por Johan Malan. O autor é professor na Universidade do Norte, na África do Sul. Traduzido para Português por Julio de Andrade

Abstract: A review of the names, Deity and works of Jesus Christ in Portuguese.

O único nome

A par de todas as falsas religiões que tiveram origem no reino da escuridão – os falsos jesuses saidos das falsificações do Cristianismo, a morte patente no Protestantismo apóstata e os espíritos enganadores que levam milhões de crentes nominais ao máu caminho – o Senhor Jesus Cristo continua a sobressair como a Luz Brilhante de um mundo espiritualmente nêgro. Êle é a única solução real e permanente para uma raça humana desesperadamente depravada, que se move na órbita e influência do Maligno. Apenas n’Êle e no Seu ímpar Evangelho da Salvação, se pode encontrar verdadeira vida, para todos aqueles que se encontram perdidos nos seus pecados.

·      Êle é o caminho, a verdade e a vida, para todos quantos se encontram no caminho da morte e não conseguem escapar aos labirintos confusos de Satanás, devido à cegueira das suas mentes e espírito. A todos quantos vão até Si, Êle oferece vida, e vida em abundância.

·      Êle é o Cordeiro de Deus, que apaga os pecados do mundo. Não é necessário aos homens continuarem a lutar com o pêso dos seus pecados e iniquidades e a fazer esforços inúteis para se libertarem da crescente “carga de morte” que levam às costas.

·      Êle é a eterna Rocha Firme de todos os tempos, sôbre a qual podem construir as suas vidas. Nêstes tempos incertos, as nações decadentes do mundo são convidadas a vir a Cristo, e a fundar no Deus Triune as suas constituições, sistemas sociais e leis morais.

Ê de vital importância conhecer o Senhor Jesus pessoalmente, não só como Salvador, mas tambem como verdadeiro Amigo, que nunca nos abandonará, como Rei que nos dirigirá e guiará, e como Noivo Celestial que virá de novo para nos levar para Si; e, aìnda, conhecêl-O tembem em todas as outras maravilhosas capacidades em que Se nos revela. Depois do dia maravilhoso em que confessámos os nossos pecados e O convidámos a entrar no nosso coração, devemos crescer em graça e no conhecimento do Nosso Senhor e Salvador (2 Pedro 3:18).

O apóstolo Paulo estava fortemente decidido a conseguir um conhecimento mais íntimo e um relacionamento mais profundo com o Senhor Jesus Cristo, e a dedicar a sua vida a tal objectivo. Disse êle: “Considero todas as coisas como pêrda, para chegar à excelência do conhecimento de Cristo Jesus meu Senhor… para que O possa conhecer e o poder da Sua ressurreição e a companhia dos Seus sofrimentos, assemelhando-me assim à Sua morte” (Filipenses 3:8-10). Isto devia ser a grande motivação das nosas vidas:

“Até chegarmos todos, na união da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao homem perfeito, à medida da estatura do Cristo inteiro: Para que daqui em diante não continuemos a ser criancinhas, abanadas de um lado para o outro, e levadas sem tino por todos os ventos de doutrina” (Efésios 4:13-14).

O Senhor Jesus Cristo revela-Se em toda a Sua inteireza, através dos nomes pessoais e descritivos relatados na Bíblia. Se já O conhecemos como Salvador e Cordeiro de Deus, um estudo do significado dos seus outros nomes maravilhosos, levar-nos-á a um mais profundo conhecimento e melhor apreciação do Homem do Golgota. Poder observar a glória do Unigénito Filho do Pai, enriquecerá a nossa vida espiritual, e constituirá motivo para O amarmos de todo o coração.

Tradução dos nomes

Antes de discutirmos os nomes de Jesus, devemos fazer algumas observações sôbre a tradução dos nomes bíblicos. Algumas pessoas afirmam que os nomes “agreguizados” do nome do Senhor, de onde derivaram nomes com êles relacionados, noutras línguas, têm sabor a mitologia e ídolos gregos. Devido a esta opinião, nos últimos anos têm-se feito vários esforços no sentido de voltar aos nomes hebreus originais.

Deus é apelidado de EL, como em EL SHADDAI (Deus todo poderoso), BETH-EL (Casa de Deus), e ainda, ELOHIM, ADONAI e YAHWEH. Jesus é chamado YESHUA ou YASHUA, às vezes escrito Y’SHUA, enquanto que Cristo, (o Ungido) é MASHIACH e Jesus Cristo portanto fica YESHUA HA MASHIACH.

Um dos problemas, nêste aspecto, é que o texto Hebreu original foi escrito sem vogais. Os linguistas estão em desacôrdo sôbre quais as vogais que deviam ser usadas em cada caso. O nome do contrato, para Deus, no Velho Testamento é escrito YHWH (EU SOU). Durante muito tempo êste nome foi pronunciado JEOVAH, mas mais tarde passou mais correctamente a YAHWEH ou YAHWAH. Há tambem aqueles que afirmam que o nome do contrato deve ter três vogais e devia portanto ser YAHUWEH e Jesus YAHUSHUA. No texto grego do Novo Testamento YESHUA foi traduzido como IESOUS. O “I” é aspirado para se tornar “Y” ou “J”. Daí YESOUS (Yesus) ou JESOUS (Jesus), são formas aceitáveis. Os nomes de Deus no Velho Testamento foram “agreguizados” e indicados como THEOS e KURIOS no Novo Testamento.

A afirmação por algumas pessoas, que os nomes “agreguizados” para YAHWEH e YESHUA, incluindo os nomes correspondentes noutras linguas, são desonrosos, porque tiveram origem nos ídolos da mitologia grega, deve ser totalmente rejeitada por motivos linguísticos. O facto é que a maioria dêstes nomes, incluindo nomes hebreus como ELOHIM e MASHIACH, são têrmos genéricos com aplicações diferentes. Dependendo do modo como são usadas, palavras como – deus, senhor, mestre etc. – podem referir-se a seres humanos e deuses falsos, e tambem ao Deus verdadeiro.

O primeiro nome usado na Bíblia para Deus, é ELOHIM: “No princípio Deus (Elohim) criou o céu e a terra” (Genesis 1:1). No entanto, o mesmo nome é tembem utilizado relativamente a ídolos: “Eu sou o Senhor teu Deus (Yahweh o teu Elohim)… Tu não terás outros deuses (elohim) diante de Mim… Tu não colocarás a par de Mim deuses (elohim) de prata, nem farás para vós deuses (elohim) de ouro” (Êxodo 20:2-3, 23).

As palavras THEOS e KURIOS do Novo Testamento, partilham da mesma natureza genérica. No Livro dos Actos dos Apóstolos, 7:40, theos refere-se a ídolos, e na Primeira aos Coríntios 8:5, theos e kurios referem-se tambem a deuses estrangeiros. Em 2 Coríntios 4:4 afirma-se que o deus dêste mundo, theos, (o diabo), cegou as mentes do povo. Contudo, o mesmo versículo refere-se tambem ao Deus verdadeiro (THEOS).

Tudo depende de qual o conteudo atribuido a uma palavra, por exemplo senhor ou deus, evidenciado no contexto em que é usada. Ê por êsse motivo que Deus se descreve com frequência, na Bíblia, como “Deus todo Poderoso”, “Criador do Céu e da Terra”, “O Deus de Abraham, Isak e Jacob”, “O Santo de Israel”, “O eterno Eu Sou”, etc.

Se um têrmo ou nome é mal descrito e inadequadamente identificado, êle perde algo de seu significado. E, quando isso acontece, Jesus pode tornar-se n’ “outro Jesus” (2 Coríntios 11:4), e Cristo pode ser re-identificado e tornar-se um falso cristo (Mateus 24:5). Por êste motivo, é muito importante conhecer os nomes e atributos de Deus e do Senhor Jesus.

Se soubermos exactamente quem estamos a louvar, não poderemos nunca confundir o Deus do céu e da terra com o deus dêste mundo, ou o verdadeiro Cristo com o Anticristo e muitos outros falsos cristos.

A alegação de que os nomes dos ídolos gregos foram introduzidos na Bíblia por gentios (os não-Judeus ou Goyim) é tambem historicamente incorreta. Alguns dêstes nomes foram usados no Septuaginto (tradução grega do Velho Testamento) durante o terceiro século antes de Cristo. Cêrca de 270 antes de Cristo, 70 judeus eruditos de Alexandria, traduziram o Velho Testamento para o tornarem acessível aos judeus que falavam grego. A palavra Septuaginto deriva da palavra grega para 70 e resulta do facto de a tradução ter sido feita por 70 pessoas. Torna-se óbvio, que esta tradução foi feita sob a inspiração do Espírito Santo. As referidas 70 pessoas trabalharam independentemente umas das outras; no entanto, depois de terminado o trabalaho, os manuscritos mostraram-se idênticos.

A integridade do Septuaginto, em que os nomes “agreguizados” de Deus foram usados, nunca pôde ser posta em dúvida. O próprio Senhor Jesus, como tambem os autores dos livros do Novo Testamento, referiram-se a êle. Não se justifica portanto, começar-se uma polémica sôbre os nomes de Deus. Devemos sim, ter cuidado em como identificamos, compreendemos, usamos, respeitamos e honramos êstes nomes. Procurai salvaguardar-vos contra qualquer falsificação ou diminuição do seu significado. O Seu Nome é chamado Maravilhoso (Isaías 9:6). Já descobristeis os Seus nomes maravilhosos?