6. Quem vai para o Inferno e como evitá-lo

Há muitos que vão para o Inferno? Sem dúvida. Jesus ensina que há muito mais pessoas que morrem nâo-salvas e vão para o Inferno, do que há cristãos que vão para o Céu. Em Mateus 7 Jesus diz:

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mateus 7:13-14).

A porta do Inferno é larga. O caminho do Inferno é espaçoso. Muitas pessoas seguem o caminho da perdição! A porta da vida é estreita isto é, acanhada, e o caminho é apertado, e Jesus diz que há poucos que o encontrem! Portanto, a maior parte das pessoas vai para o Inferno. Todo aquêle que lê estas palavras deve assim alarmar-se ainda mais, e fazer todos os possíveis por obter a certeza de que não vai para o Inferno sem se aperceber.

Surpreendidos por acordarem no Inferno

Podemos ter a certeza de que a maior parte das pessoas que vão para o Inferno, não esperava ir para lá. Por certo que o homem rico não esperava. Pensava que Lázaro devia continuar a ser seu criado. E surpreendeu-se, ao encontrar-se envolto em chamas! Jesus referiu-se a certas pessoas, que esperam ser salvas, mas são condenadas:

“Nem todos os que me dizem Senhor, Senhor, entrarão no reino do Céu, mas aqueles que fazem a vontade de meu Pai que está no Céu. Muitos dir-me-âo naquele dia, Senhor, Senhor, não profetizámos nós em teu nome? Não expulsámos também demónios, em teu nome? E não fizemos em teu nome muitas obras maravilhosas? Então responder-lhes-ei: Nunca vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que obrais a iniquidade!” (Mateus 7:21-23).

Muitos locais na Bíblia referem-se à mistura de ervas daninhas com o trigo, à mistura de peixes bons com máus e de pessoas perdidas com cristãos, enganando-se a si próprios. O fariseu que entrou no templo para orar (Lucas 18:9-14), agradecendo a Deus que era melhor que o publicano, sem dúvida que se surpreendeu quando se encontrou no Inferno. Pensou que era bom! Não jejuava dois dias por semana? Não dirigia êle reuniões de oração? Não ia à igreja? Não era êle um homem honesto, que pagava as suas contas? Ele até pagava dízimo de tudo quanto recebia, como disse o Senhor! No entanto era um pecador perdido e, a não ser que se arrependesse antes de morrer, ia para o Inferno!

Torna-se assim bem claro, à luz da Palavra de Deus, que há multidões que vão para o Inferno, que não esperavam ir para lá. Amigos: Peço-vos, não vos deixeis enganar por Satanás! Não queiram enfrentar a terrível surpresa de acordar no Inferno.

Corações perversos e não regenerados

As pessoas nâo-salvas são sempre más. A gente não quere acreditar isso, mas a Bíblia afirma constantemente que assim é. A esposa pode acreditar que o seu falecido marido “era tão bom homem!” Mas apenas Deus conhecia o seu coração, e Deus afirma: “O coração é enganador acima de todas as coisas e desesperadamente máu – quem o pode conhecer?” (Jeremias 17:9).

Um pai e uma mãe amorosos, mostrando cegueira, podem referir-e ao “seu querido e inocente filho.” Muitas mães me têm falado do “seu filho maravilhoso”, dizendo: “Irmão Rice, êle nunca fez nada errado na sua vida.” Mas isso é uma contradição directa da Palavra de Deus, que afirma:

“Não há nenhum recto. Não. Nem um!” (Romanos 3:10).

“Porque todos pecaram e estão destituidos da glória de Deus” (Romanos 3:23).

“Todos nós andámos desgarrados como ovelhas; cada um de nós se vira para o seu próprio caminho; mas o Senhor fez cair sôbre Ele, a iniquidade de todos nós” (Isaías 53:6).

O homem rico merecia ir para o Inferno. Era um pecador. Na aparência, podia ter sido moral, recto, inteligente e amorável. Mas no seu coração, onde apenas Deus podia penetrar, êle era um pecador deliberado, malicioso, consciente, não arrependido e contínuo, contra Deus.

É de lembrar, que foram pessoas refinadas, educadas, cultas, religiosas e de muita oração, que condenaram Cristo a ser crucificado. “Eles eram lobos, em roupa de cordeiros.” O que Jesus disse sôbre êles, em Mateus 23, descreve perfeitamente o coração do melhor “homem moral” de todos os tempos, que não confiou em Cristo.

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Vós sois como sepulcros brancos, que parecem certamente bonitos por fóra, mas por dentro estão cheios de ossos de homens mortos e de toda a sujidade. Da mesma maneira, por fóra vós pareceis rectos aos homens, mas dentro estais cheios de hipocrisia e iniquidade” (Mateus 23:27-28).

Aqueles que não tiveram uma mudança de coração, podem parecer-nos morais, ou limpos ou bons, mas sâo-o apenas no exterior. Deus, que conhece o coração de todos os homens, descreve-nos aqui o coração do nâo-salvo. Foi por esta razão, que Jesus disse a Nicodemo:

“Verdade, verdade te digo, a não ser que um homem nasça de novo, não pode ver o reino de Deus” (João 3:3).

 Para que não pudesse haver mal-entendidos, Jesus repetiu mais duas vezes na mesma conversa, o requisito de que todas as pessoas têm de nascer de novo, se alguma vez quizerem ver o reino de Deus.

Os seres perdidos amam a escuridão, odeiam a luz, escolhem o pecado, rejeitam Cristo

Jesus pintou-nos um quadro muito claro, da razão pela qual os pecadores devem, ou dar meia volta e acreditar em Cristo, ou ser condenados para sempre. Disse:

“E esta é a condenação: que a luz veio ao mundo e os homens amaram a escuridão em vez da luz, porque os seus actos eram máus. Pois todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que os seus actos não sejam reprovados” (João 3:19-20).

A melhor prova da maldade do coração de qualquer homem, é o facto de que não aceitou Cristo. A única razão honesta que qualquer pessoa pode apresentar, para justificar não vir até Jesus, é que essa pessoa ama o seu pecado e não se vira para Cristo, A LUZ, com medo que o seu pecado seja reprovado. Os sem Deus podem ser cultos, agradáveis, cortezes e refinados, mas certamente não são bons. São máus de sua própria escolha. O coração do perdido é máu, deliberadamente máu, suficientemente máu para odiar Cristo, a Luz. Os homens rejeitam Cristo de propósito, por amarem o pecado. Sem que se convertam, êsses pecadores máus têm de ir para o Inferno.

Deixai que imprima no vosso coração outra afirmação de Jesus sôbre a maldade do homem. Diz Êle:

“Nenhum homem pode servir dois mestres: Pois ou odiará um e amará o outro, ou então agarrar-se-á a um e desprezará o outro. Não se pode servir a Deus e a Mamon” (Mateus 6:24).

É-nos dito aqui, que a pessoa que não ama a Cristo odeia-O. A pessoa que não se agarra a Cristo, despreza-O. Poucas pessoas admitiriam que odeiam Cristo ou que O desprezam. Mas a Palavra de Deus diz-nos aqui, que todas as pessoas que não estão salvas e que portanto se agarram a Satanás e o servem, são fídagais inimigos do Filho de Deus, odiando-O e desprezando-O! Tomam partido com aqueles que rejeitaram o Filho de Deus.

Por natureza e sua decisão, o ser humano é mau e inimigo de Deus, filho da ira, destinado ao Inferno. Portanto, as pessoas devem arrepender-se, virar-se para Cristo para obter a sua compaixão, perdão e um novo coração, se quizerem escapar das chamas do Inferno.

Pessoas ‘morais’, vão para o Inferno

Jesus não disse que a moral do homem rico era pior que a de outros. Tudo o que ali se afirma sôbre a vida do homem rico na terra, é o seguinte:

“Havia um certo homem rico, que se vestia de púrpura e de linho fino, e que vivia sumptuosamente todos os dias” (Lucas 16:19).

Este versículo não diz que êle era mais cobiçoso que os outros. Não diz também, que êle se recusava a ajudar os pobres ou que os maltratava. A Escritura não diz que êle cometeu adultério ou assassínio, que jogava por dinheiro, bebia ou praguejava. O seu problema era interno. Como todos os nâo-salvos, homens, mulheres e crianças em toda a parte, êle tinha simplesmente um coração máu. No íntimo do seu coração, êle odiava a Deus.

Há milhares de pessoas que vão para o Inferno e que exteriormente parecem rectas e morais.

É de notar também, que o homem rico não foi para o Inferno por ser rico. O Inferno tem mais homens pobres que ricos, podemos estar certos; mas a Bíblia ensina claramente que Abraâo, David e muitas outras pessoas ricas irão para o Céu.

No Inferno, por não se ter arrependido

O próprio homem rico sabia porque motivo foi para o Inferno. Ele pediu que se enviasse Lázaro a testemunhar aos seus cinco irmãos, “para que êles não venham também para êste lugar de tormento.” Durante a conversa êle disse: “se um, ido dos mortos, fôr até êles, vão arrepender-se!” Êle sabia que, se os seus cinco irmãos quizessem escapar ao Inferno, tinham de se arrepender. E êle mesmo foi para o Inferno, porque não se arrependeu. O que é verdade relativamente a êste homem rico e seus cinco irmãos, é também verdade para todas as pessoas, pois Jesus disse duas vezes: “Digo-vos, não. Pois se não vos arrependerdes, perecereis todos da mesma maneira” (Lucas 13:3, 5).

É simplesmente – arrepende-te, ou perece – para todos os pecadores do mundo! Pecador, deves mudar ou arder!

Como é que me arrependo?

Arrependimento significa mudar a nossa mente e o nosso coração. Afastarmo-nos do pecado, no coração, em direcção ao Senhor Jesus. Arrependermo-nos, inclui confiarmos em Cristo. E confiar em Cristo, inclui’ arrependimento. Em boa verdade, não podemos afastar-nos do pecado no coração, sem nos voltarmos para Cristo, sem confiarmos n’Êle. O homem rico tinha um coração máu, como acontece com todas as pessoas nascidas neste mundo. Êle amava o pecado e não se afastou dêle em direcção a Cristo. Foi por isso que foi para o Inferno.

Todo aquele que ler isto, pode portanto estar certo de que, a menos que se entregue a Jesus Cristo, confiando que Éle lhe mudará o coração e lhe perdoará os seus pecados, está condenado a ir para o Inferno. Entrega-te hoje amigo, antes que venha o dia em que te encontrarás no mesmo lugar onde se encontra o homem rico, atormentado pelas chamas.

Não temos que nos perder

O meu próprio coração tem estado profundamente sentido e tocado ao falar-vos do Inferno. No entanto, um facto abençoado tem falado continuamente ao meu espírito: Não há necessidade que alguém vá para o Inferno! O coração de Deus preocupa-se com os pecadores. E não deseja que uma única alma se perca. Jesus disse a êste respeito: “

“Pois Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas sim para que o mundo pudesse ser salvo através d’Êle” (João 3:17).

Na segunda epístola a Pedro, somos informados do motivo porque o Salvador não voltou aínda, para julgar a terra:

“O Senhor não se desleixa, com relação à sua promessa, no sentido em que muitos consideram o desleixo; mas é paciente para conosco, não desejando que qualquer se perca, mas que todos venham a arrepender-se” (2 Pedro 3:9; ênfase acrescentado).

O grito de apêlo de Deus, não só para Israel mas também para toda a humanidade, é:

“Dizei-lhes – Como Eu vivo, diz o Senhor, não tenho prazer algum na morte dos máus; mas que os máus abandonem o seu caminho, e vivam: Abandonai, abandonai os vossos máus caminhos; pois, porque havieis de morrer?” (Ezequiel 33:11).

Pecador, não há necessidade de ires para o Inferno. Deus deseja salvar-te. Olhemos de novo e encontremos novo significado naquele “pequenino evangelho” que é João 3:16:

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele que n’Êle creia não pereça, mas tenha a vida eterna.”