10. Instrução de Discípulos

Ser discípulo, envolve muito mais que a salvação – envolve também o treino e preparação espiritual dos crentes, para poderem ser discípulos valiosos capazes de servir o Senhor Jesus e levar a cabo a Grande Comissão da evangelização do mundo. A sua principal missão é levar outros a Cristo e fazer deles discípulos. Todos os crentes são chamados  a ser discípulos e a dedicarem-se de todo o coração a fazer discípulos dos convertidos, em todos os povos e nações (Mateus 28:19).

Submissão ao ensino para discípulos

Durante o treino dos Seus discípulos, o Senhor Jesus descreveu-lhes claramente as condições básicas para serem discípulos (Lucas 9:23-26). Há quatro verbos em Lucas 9:23, indicativos de certas acções necessárias para isso: "Se algum homem quizer seguir-Me, que êle se negue a si mesmo e carregue a sua cruz diàriamente e Me siga" (KJV). Em primeiro lugar, deve haver da parte da pessoa, o desejo sincero de seguir o Senhor Jesus; depois, deve negar-se a si mesmo, identificar-se com a cruz de Jesus morrendo para o mundo, e depois segui-l ' O na obediência à Grande Comissão da evangelizção.

Como acontece com a salvação (Apocalipse 22:17), todo o crente deve ter o desejo real de seguir a santificação e o treino para discípulo. E, se assim fôr, a negação do eu é o passo seguinte. Os desejos da carne e do mundo devem ser abandonados, se o crente desejar seguir Cristo com todo o coração. Há apenas uma maneira de o conseguir, e essa maneira é a submissão total à orientação do Espírito Santo, à medida que nos regozijamos na cruz de Jesus Cristo, por quem o mundo é crucificado em nós e nós para o mundo (Galatas 6:14). Carregarmos a nossa cruz, deve ser um acto diário de submissão. Se o não fizermos, a carne será libertada da sua posição de crucificada, e começará gradualmente a manisfestar-se de novo nas nossas vidas. É loucura não o fazer, pois o resultado inevitável será começarmos a voltar à nossa antiga condição ( backsliding), (Galatas 3:1-3). Na parte final da Escritura em Lucas 9:23, o Senhor Jesus diz que O devemos seguir. Com o estudo bíblico e aceitando a orientação do Senhor, seremos capazes de continuar a segui-l 'O, e assim a preencher a finalidade do nosso chamamento como discípulos. Se estivermos na vontade de Deus, todos os obstáculos serão removidos e o nosso caminhar será direito.

O equipamento espiritual para o discípulo

Depois dos discípulos terem sido ensinados pelo Senhor e terem aceitado as Suas condições, êles tinham aínda de ser cheios com o Espírito Santo, antes de poderem ser testemunhas de Cristo e começarem a trabalhar para Ele (Lucas 24:45-49; Actos1:8). O Senhor faz o trabalho de santificação depois dos discípulos se terem submetido em humildade e terem abandonado os desejos da carne e do mundo. Os primeiros discípulos receberam a bênção no dia de Pentecostes. Depois de terem sido dotados com o poder do Espírito Santo, começaram logo a proclamar o evangelho com ousadia. No dia em que Pedro foi cheio com o Espírito Santo, "começou imediatamente a prègar Cristo nas sinagogas, declarando ser Jesus  o Filho de Deus" (Actos 9:20 KJV). Depois disso, os discípulos tiveram muitas vezes novas experiências do enchimento com o Espírito Santo (Actos 4:31; 13:52). Esta é a vida da profunda dependência do Senhor (João 15:5).

Auto-negação contínua

O ministério e a vida diária do discípulo, devem ser sempre guiados pelo princípio da  cruz. E isso exige a auto-negação contínua, para evitar que a carne volte a influenciar-nos e a dominar. O discípulo não deve procurar enaltecer-se, mas aceitar os escrúpulos dos fracos (Romanos 15:1). Deve ter paciência em face das críticas e da oposição e não perder a coragem (Hebreus 12:3). Não deve impôr a sua opinião aos outros, mas sim mostrar um espírito ensinável, vergando-se sempre ao mesmo tempo à autoridade da Palavra (Salmo 119:59). A auto-negação também exige o servir fielmente o Senhor, o que é avêsso a uma vida de auto-gratificação e avareza (Salmo 119:36).

Perseguição

Os discípulos de Cristo devem preparar-se para ser perseguidos pela sua fé (João15:18-21). Nós somos seguidores do Messias sofredor, que foi rejeitado pelo mundo, e por isso o mundo odeia-nos (João 16:33). Os primeiros discípulos foram alvo de tremenda perseguição, mas encorajaram-se mùtuamente dizendo: "Devemos entrar no reino de Deus através de muitas tribulações" (Actos 14:22). E o apóstolo Paulo disse: "Pois a vós foi-vos dado, pela parte de Cristo, não só acreditar n' Êle mas também sofrer por Êle" (Filipenses 1:29). A nossa leve aflição, que é apenas por um momento, não se pode comparar a toda a grande glória eterna que nos vai ser revelada na Segunda Vinda de Cristo (2 Coríntios 4:17). Quando o Senhor Jesus voltar, participaremos da Sua glória e seremos governantes com Êle (Romanos 8:17; 2 Timóteo  2:12). E nessa altura, os nossos dias de sofrimento terminarão (Apocalipse 21:4).

A responsabilidade dos discípulos

No trabalho disciplinar, existe uma indicação clara de uma colaboração de dois lados: O Senhor dá-nos o poder, mas nós temos a obrigação de caminhar devidamente perante Êle, ao mesmo tempo que fazemos planos para utilizar o poder divino que nos foi confiado.Tal poder não será convertido em obras sem a nossa colaboração activa. Nós devemos apresentar os nossos corpos como instrumentos de justiça ao serviço do Senhor, de uma maneira activa e com finalidade (Romanos 6:13). A êste respeito, os mandamentos seguintes são relevantes: Os nossos corpos devem ser oferecidos como sacrifícios santos e aceitáveis ao serviço de Deus (Romanos 12:1-2; 6:22) e produzir fruto de harmonia com o arrependimento (Mateus 38). Nós fomos enviados (João 20:21) a prègar a Palavra em todas as circunstâncias (2 Timóteo 4:2).

Na execução dêstes e de muitos outros mandamentos, devemos lembrar-nos sempre, que é o poder do Senhor que opera através dos nossos corpos fracos. A honra e glória do que quer que consigamos, pertence – lh 'E exclusivamente. Por tudo quanto Paulo fez na sua vida de serviço, êle apenas deu a Deus toda a honra, pois foi Deus quem graciosamente lhe tornou possível a sua obra(1 Coríntios 15:10). Êle compreendeu que, sem a graça do Senhor, não poderia ter feito coisa alguma. No entanto, como co-obreiro de Deus, êle tinha de se aplicar activamente ao serviço d' Aquele que o tinha enviado (1 Coríntios 9:27).

Que o Senhor conceda a cada um de nós  a graça que nos conduza a levar a cabo o nosso alto chamamento em Cristo Jesus (Filipenses 3:14). Êle não só nos chama da escuridão para a sua luz maravilhosa, como também nos deseja fazer Seus discípulos cheios do Espírito – vasos que possam ser por Si utilizados para a extensão do Seu reino. Está o leitor preparado para ser equipado para êste chamamento? Se assim fôr, submeta-se humildemente perante Êle, e espere no Senhor até que Êle o dote do poder do alto.

Os previlégios dos discípulos

·       São reconhecidos por Jesus Cristo, que se associa ìntima-mente a êles (Mateus 12:49-50).

·       Cristo é a luz das suas vidas, pelo que nunca necessitam de caminhar na escuridão (João 8:12).

·       O Espírito Santo guia-os em tudo que respeita toda a vontade de Deus e Sua Palavra (João 16:13).

·       Êles estão cheios do amor de Jesus Cristo de tal maneira, que o mundo pode ver que são Seus discípulos (João 13:34-35).

·       Êles são honrados pelo Pai, porque servem a Cristo e promovem os interêsses do Seu reino na terra (João 12:26).

Discípulos que falham

O que é que acontece aos crentes que não se submetem às condições necessárias ao trabalho  de discípulo? Êles desclassificam-se como discípulos (Lucas 14:27). A pessoa que aínda não se submeteu a essas condições, está cheia de si própria, dos seus planos e das suas ideias. Proclama as suas próprias convicções e promove a causa da sua  igreja ou organização, nas quais o reino de Cristo não é necessàriamente a primeira prioridade. Essa pessoa deseja reconhecimento por tudo quanto faz, e soa a trombeta à sua frente, para anunciar todas as suas boas obras (Mateus 6:2). Antes de serem cheios com o Espírito Santo, os discípulos também estavam todos inchados e perguntavam entre si qual dêles era o maior no reino de Deus (Mateus 20:25-28). A carne deseja estar sempre na primeira fila, para ser vista por toda a gente. A pessoa carnal sente-se  amargamente desapontada, quando a sua reputação é ferida. No seu coração, detesta e rejeita todos quantos não honram e enaltecem a sua pessoa como algo de especial.

Porque é que uma tal pessoa, de natureza carnal não crucificada, não está apta para o serviço do Senhor? A razão é que ela vive um conflito interior que se opõe ao verdadeiro serviço cristão (Galatas 5:17). Os Cristãos que aínda vivem sob o domínio da carne, como os de 1 Coríntios 3:1-3, são pessoas egocêntricas, cheias de invejas, lutas e divisões e, devido à sua imaturidade espiritual, não estão aptas para ser  usadas como discípulas. E então, quando proclamam a Palavra nêsse estado  mental, não o fazem em demonstração do Espírito e do poder, mas sim com palavras persuasivas do conhecimento humano (1Coríntios 2:4). E assim, o seu trabalho é um exercício fútil, pois tais palavras não podem convencer do pecado, apenas enaltecendo a sua vaidade (2 Timóteo 4:3-4).

É fenómeno comum nos nossos dias, as pessoas que têm objectivos carnais explorarem a religião Cristã para levar a cabo os seus ideais egoístas. Tais pessoas só pensam em enriquecer-se, lutam pela aprovação do homem  e apresentam-se como grandes guias espirituais. O Diabo ajuda tal gente na sua campanha mundana e carnal, porque essas pessoas enganam asssim milhares de outras pessoas, desviam-nas espiritualmente e até as levam ao inferno.

Durante o ministério terreno de Jesus, havia quem se afastasse do verdadeiro  trabalho disciplinar, por outros motivos. Naqueles tempos não era popular e socialmente aceitável uma pessoa dizer que seguia Jesus. Os judeus messiânicos eram perseguidos e mesmo deserdados pelos pais. A sua reputação e segurança financeira estavam em perigo, o que explica o alto preço que tinha de ser pago por fazer discípulos (Lucas 9:24-25). Quaisquer que sejam as nossas circunstâncias, há sempre um preço a pagar para uma pessoa se tornar discípula de Jesus Cristo. Nós devemos estar preparados para sacrificar os nossos direitos e estima social, bem como os nossos interesses pessoais.

Compromisso pessoal

Que previlégio ser um discípulo de Jesus Cristo! Embora isso seja uma caminhada árdua, em que devemos brilhar como luzes no meio de uma geração corrompida, é uma grande alegria poder ser uma bênção para outros. Se perseverarmos nessa caminhada até ao fim, a nossa recompensa no reino de Cristo será maravilhosa. Dedico-me de novo ao alto chamamento de fazer discípulos e oro pela graça de poder carregar a minha cruz todos os dias, -- graça essa  com que o mundo foi crucificado para mim e eu para o mundo, --  e poder correr com coragem a corrida que tenho à minha frente (Galatas 6:14;Hebreus 12:1). Eu não estou neste mundo para agradar a mim mesmo,  mas para agradar Àquele que me alistou como soldado (2Timóteo 2:4). Na estrada do evangelismo mundial temos a mais maravilhosa promessa da presença diária do Senhor Jesus (Mateus 28:20).Em breve a grande seifa da seara do Seu reino terá lugar e então vamos regozijar-nos por cada alma salva.

Perguntas

1.    Quais são  os requisitos necessários para fazer discípulos?

2.    Qual é a natureza da dependência do discípulo do Espírito Santo?

3.    Descreva o papel da perseguição  na vida do discípulo.

4.    Indique três pevilégios dos discípulos.

5.    Quais são as características dos discipulos que falham?